Rádio Criciuma

Rádio Criciúma

MP reafirma que réu foi absolvido por falta de provas por estupro de vulnerável. O termo Estupro Culposo foi criado por site.
Justiça - 03/11/2020 - 21h55min

Florianópolis - Segundo o Ministério Público de SC "Não é verdadeira a informação de que o Promotor de Justiça manifestou-se pela absolvição de réu por ter cometido estupro culposo, tipo penal que não existe no ordenamento jurídico brasileiro. Salienta-se, ainda, que o Promotor de Justiça interveio em favor da vítima em outras ocasiões ao longo do ato processual, como forma de cessar a conduta do advogado, o que não consta do trecho publicizado do vídeo."

Leia, na íntegra, a manifestação do MPSC sobre o caso, em que a influencer Mariana Ferrer acusa o empresário André de Camargo Aranha de estupro:
A 23ª Promotoria de Justiça da Capital, que atuou no caso, reafirma que combate de forma rigorosa a prática de atos de violência ou abuso sexual, tanto é que ofereceu denúncia criminal em busca da formação de elementos de prova em prol da verdade. Todavia, no caso concreto, após a produção de inúmeras provas, não foi possível a comprovação da prática de crime por parte do acusado.

Cabe ao Ministério Público, na condição de guardião dos direitos e deveres constitucionais, requerer o encaminhamento tecnicamente adequado para aquilo que consta no processo, independentemente da condição de autor ou vítima. Neste caso, a prova dos autos não demonstrou relação sexual sem que uma das partes tivesse o necessário discernimento dos fatos ou capacidade de oferecer resistência, ou, ainda, que a outra parte tivesse conhecimento dessa situação, pressupostos para a configuração de crime.

Portanto, a manifestação pela absolvição do acusado por parte do Promotor de Justiça não foi fundamentada na tese de "estupro culposo", até porque tal tipo penal inexiste no ordenamento jurídico brasileiro. O réu acabou sendo absolvido na Justiça de primeiro grau por falta de provas de estupro de vulnerável.

O Ministério Público também lamenta a postura do advogado do réu durante a audiência criminal, que não se coaduna com a conduta que se espera dos profissionais do Direito envolvidos em processos tão sensíveis e difíceis às vítimas, e ressalta a importância de a conduta ser devidamente apurada pela OAB pelos seus canais competentes.

Salienta-se, ainda, que o Promotor de Justiça interveio em favor da vítima em outras ocasiões ao longo do ato processual, como forma de cessar a conduta do advogado, o que não consta do trecho publicizado do vídeo.

O MPSC lamenta a difusão de informações equivocadas, com erros jurídicos graves, que induzem a sociedade a acreditar que em algum momento fosse possível defender a inocência de um réu com base num tipo penal inexistente."

O termo "estupro culposo", amplamente compartilhado nas redes sociais, não consta na ação. O termo foi usado pelo “The Intercept Brasil”, numa matéria onde um vídeo editado com parte da audiência foi postado, "para resumir o caso e explicar para público leigo", segundo o site.

Leia também: Blogueira diz ter sido estuprada em famoso beach club de Florianópolis

Rádio Criciúma. 





Últimas notícias
25/11 - Agricultura
Análise do Mapa mostra que sementes recebidas por brasileiros contêm pragas que não existem no país
25/11 - Futebol
Morre Diego Maradona, aos 60 anos, após parada cardiorrespiratória
25/11 - Futebol
Nesta quarta-feira tem Próspera x Hercílio Luz. Acompanhe aqui na Rádio Criciúma
22/11 - Futebol
Próspera assume a liderança do Catarinense Série B ao golear golear o Metropolitano
21/11 - Futebol
Neste sábado tem Metropolitano x Próspera. Acompanhe aqui na Rádio Criciúma
» Mais Notícias

home | notícias | artigos | colunistas | livro de visitas | vídeos
anuncie | aovivo | cadastre-se | galeria de fotos | cidades
classificados | quem toca aqui

Copyright © 2020. Todos os direitos Reservados

Classificados
O que você procura?
Webcam Ao vivo
imagem da webcamClique para ver ao vivo, imagens da nossa webcam.